Sul

Estou ao sul da felicidade, ou mais bem

de uma felicidade prometida

em livros duvidosos e campanhas borbulhantes;

porém paira um espectro sobre minha terra.

É minha esta terra?

|

Toda a clareza do caminho norte

é nublada pela sensação de engano.

Como tantas noutras épocas,

Oferecem-me a oportunidade, quando muito,

de ser meeiro em latifúndios inquestionáveis.

Latifúndios de um todo pluri-monetizável, pois.

|

E quem os há de questionar, afinal?

Ao redor, muitas pessoas se movem

numa dinâmica adaptativa — assim é a vida

ou suspeitosamente otimista — iupi, eis o mundo melhor

ou enfim, para que pensar nisso mesmo.

Bom, ainda temos nossos loucos. Graças a deus.

|

Diversos meridianos me vão cortando, alguns sangram.

Meridianos sem cor, pragmáticos

e cabisbaixos.

A vontade é de apagá-los todos,

reconstruir a bússola.

E com quê?

Não se pode entulhar assim o ‘até agora’,

entidade quase viva que nos forma,

de norte tão apegado aos ideais medíocres.

|

Para um novo compasso, disse o mestre

de olhar profundo,

é necessário abandonar o compasso velho.

É necessária uma morte em vida.

Anúncios

2 comentários em “Sul

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s