Entre o coletivo e o particular, a difícil escolha do ativismo

Pega no Meu Power

*resenha de Sobrevivendo de Amor de bell hooks disponível em http://arquivo.geledes.org.br/areas-de-atuacao/questoes-de-genero/180-artigos-de-genero/4799-vivendo-de-amor

Em Sobrevivendo de Amor, bell hooks fala dos efeitos do racismo na auto estima do indivíduo negro.

Ela fala também das dificuldades em se construir enquanto sujeito espiritual e psiquicamente completo em uma sociedade racista a partir das experiências de falta de amor e de uma afetividade quebrada que exige do ser negro uma força e uma inteface social pronta para lidar coma violência e a solidão da experiência do racismo em todas as suas relações sociais.

Pensando nesse contexto analisando a militância, feminista, e negra especificamente, é possível perceber como as experiências de negação de amor, do racismo e de enfraquecimento coletivo tem permeado nossas relações com o fazer político. E como por vezes essas experiências tomam formas de discurso político perturbadoras, mesmo pensando em organizações políticas articuladas.

Uma dessas formas é a transição da necessidade coletiva de…

Ver o post original 514 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s